COMITÊ DE DEFESA DA REVOLUÇÃO CUBANA - INTERNACIONALISTA O CDR-I é uma entidade de apoio e defesa da Revolução Cubana e do Socialismo, atuando em diversas cidades, como Vitória, Belém, Goiânia... Qualquer pessoa pode participar das atividades do CDR-I, independentemente de idade, grau de instrução, partido político, religião etc. O único requisito para participar do CDR-I é defender a Revolução Cubana e o Socialismo. (Site nacional: http://cdribrasil.sites.uol.com.br/)

11.16.2006

ONU aprova pela 15º vez fim do bloqueio a Cuba; movimentos sociais fazem ato em solidariedade

Faro AG BR Capital Press

Ontem, pela 15º vez consecutiva, a ONU (Organização das Nações Unidas) aprovou por maioria uma resolução que exige do governo dos Estados Unidos o fim do bloqueio a Cuba. Em número recorde, 183 países votaram a favor da resolução, quatro contra e só um se absteve. Ao mesmo tempo, cerca 300 pessoas de diversos movimentos sociais e entidades manifestaram apoio e solidariedade ao povo cubano, em um ato chamado Cuba Si, realizado na UnB (Universidade Federal de Brasília), no Distrito Federal. A atividade contou com uma exibição de vídeo, intervenção teatral e um pronunciamento do embaixador de Cuba no Brasil.

Um dos objetivos do evento era protestar contra o bloqueio econômico comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos a Cuba, chamando atenção da sociedade para a situação do povo cubano, que sofre com essa política. Até hoje, Cuba já teve um prejuízo de 86 bilhões de dólares.

Os participantes exigiram também a libertação dos cinco cubanos presos injustamente nos Estados Unidos. Com gritos de ordem, eles fizeram um cortejo pelo corredor do ICC Ala Norte, enquanto um grupo teatral do MST representava os imperialistas dos Estados Unidos e os cinco presos cubanos. Logo após, no Anfiteatro 11, foi exibido o vídeo "Desafio", sobre o embargo econômico, seguido de pronunciamento do embaixador e de representantes das entidades participantes.

O embaixador, Pedro Juan Nunes Mosquera, agradeceu os movimentos sociais brasileiros e disse que esse apoio é muito importante, já que “o povo cubano é muito digno e valente, mas tem que enfrentar não só a agressividade política dos Estados Unidos, mas também uma campanha de difamação mundial muito grande”. Segundo os movimentos e entidades, esse foi o primeiro de muitos atos e atividades em solidariedade a Cuba.

Participaram do evento: MST; NESCUBA (Núcleo de Estudos Cubanos na UnB); UNE (União Nacional dos Estudantes); UBES (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas); DCE-UnB (Diretório Central dos Estudantes Honestino Guimarães – UnB); UJS (União da Juventude Socialista); CMP (Central de Movimentos Populares); APAC (Associação de Pais e Apoiadores dos Estudantes Brasileiros em Cuba); CDR-I (Comitê de Defesa da Revolução Cubana Internacionalista); Médicos Brasileiros Formados pela ELAM (Escola Latino-americana de Medicina – Havana/Cuba); CUT (Central Única dos Trabalhadores); SINPRO-DF (Sindicato dos Professores no DF); SINTFUB (Sindicato dos Trabalhadores da Fundação Universidade de Brasília); MAB (Movimento dos Atingidos por Barragens); MNLM (Movimento Nacional de Luta pela Moradia); RENAP (Rede Nacional de Advogados e Advogadas Populares); MPA (Movimentos dos Pequenos Agricultores); CIMI (Conselho Indigenista Missionário); Frente Parlamentar Brasil-Cuba; Comunidade da Universidade de Brasília (Servidores, Estudantes, Professores, Grupos de Pesquisa e Coletivos Estudantis).